sábado, 31 de dezembro de 2011

A última cidade do ano
























(San Sebastián, há pouco.)

Advogados de Defesa

O tempo que nos é concedido é tão breve que, se perdermos um segundo, já teremos perdido toda a nossa vida, pois ela não dura mais do que isso, ela dura apenas o tempo que desperdiçamos. Por isso, se iniciaste um caminho, continua-o aconteça o que acontecer; só tens a ganhar, não há qualquer risco, no fim até talvez caias a um precipício, mas se tivesses voltado para trás após os primeiros passos e descido as escadas a correr, terias caído de imediato - com toda a certeza. Por isso, se não encontrares nada nos andares de cima, não te preocupes e sobe a correr mais um lance de escadas. Desde que não pares de subir, as escadas nunca terminarão; elas continuarão sempre a crescer por debaixo dos teus pés apressados; estendendo-se interminavelmente para cima.

Franz Kafka, Contos, Cavalo de Ferro, 2004.

Versos para 2012

Sometimes
Before the gods appear
Something is marked:
A noise. A note, perhaps. Perhaps
A change of temperature. Or else, as now,
The scent of oceanic lavender,
That even as it drew his mind
Drew from the seal-coloured sea onto the beach
A mist that moved like weed, then stood, then turned

Logue's Homer, War Music, 2001 (2nd edition).

The Witness. The Critic. The Stevens.

Helen Vendler, uma das grandes críticas de Wallace Stevens, a lê-lo aqui.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Thomas a Ezra

My dear Pound,

I have been reading some of your work lately. I enjoyed the article on the Vortex (please tell me who Kandinsky is). I distrust and detest Aesthetics, when it cuts loose from the Object, and vapours in the void, but you have not done that. The closer one keeps to the Artist's discussion of his technique the better, I think, and the only kind of art worth talking about is the art one happens to like. There can be no contemplative or easychair aesthetics, I think; only the aesthetics of the person who is about to do something. I was fearful lest you should hitch it up to Bergson or James or some philosopher, and was relieved to find that Vorticism was not a philosophy.

Drive, Refn, Michael Mann

Vi há uns dias Drive de Nicholas Winding Refn e, embora esteja em crer que o texto de Luís Miguel Oliveira esgota o que havia para dizer sobre este filme, queria escrever algumas notas dispersas sobre alguns aspectos. A actuação contida dos actores (que deveria em parte servir o propósito de estabelecer um contraste de intensidade com a violência da segunda parte) é completamente frustrada pelos diálogos medíocres (um bom exemplo é o das palavras trocadas entre Driver e Standard depois de este ser espancado pelos tipos a quem devia dinheiro na prisão: parece-me escrito por um mau aluno de um mau curso de escrita criativa) que nunca permitem às personagens ganhar alguma espécie de espessura. Este tipo de personagens contidas, mas determinadas, inteligentes e violentas são magistralmente dirigidas por Michael Mann. A este propósito, veja-se esta cena:


É só o Depp a dizer à Cotillard uma das coisas mais banais do universo, é coisa cheia de estilo e é uma linha que define a própria personagem. É de uma economia que nunca se vê em Refn. O final é tão evidente que nem dá para acreditar. Para um tipo que está a realizar um filme centrado no acto de condução, este é um dos aspectos mais descurados. Acho que nem a actuação de Ryan Gosling (a quem regra geral basta andar no ecrã para eu me sentir contente) salva Drive. Talvez Drive não seja propriamente um filme mas uma espécie de videoclip em contínuo, no entanto acho que nem dessa forma resulta. O simbolismo óbvio de que se revestem algumas cenas é no mínimo muito fraco (mesmo para um filme que almeje meramente à tipificação das suas personagens - o exemplo nos antípodas seria o Match Point de Woody Allen, em que todos eles são tipos, mas ainda assim, é um bom filme), veja-se a este propósito a cena do herói com a criança nos braços, ou o diálogo entre eles os dois sobre como reconhecer um homem mau. A dada altura, parece-me que a contenção das personagens as transforma em caricaturas delas próprias (a cena do telefonema entre Driver e a criança depois da morte do pai é o paradigma). Nos antípodas:



E Drive parecia-me ter tudo para ser um filme impecável.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

com o nosso chá amortizar a dívida externa, e meter a Europa numa infusão de erva formigueira

Passou Brás Luís de Abreu ao Porto, fazendo tenção de estabelecer-se na segunda cidade do reino. Deteve-se em Aveiro alguns dias, e passeando cientificamente pelos arrabaldes da vila, descobriu a planta do chá, nascida em barda por aqueles maninhos. Consta-me que os aveirenses, decerto ignorantes do descobrimento do médico, ainda agora compram para seu uso chá da China, como se não tivessem ali à mão a erva de que se faz. Aqui lhe transcrevo as palavras de Brás Luís, e muito faço em prova do meu desprendimento de bens de fortuna, se não iria eu propriamente colher a erva, comprar os maninhos, e senhorear-me de Aveiro em poucos anos. Aqui está a notícia:
"Na vila de Aveiro, e em todas as suas vizinhanças, nasce uma erva, a que os naturais chamam erva formigueira, porque pisada tem o cheiro como de formigas pisadas; e há em tanta quantidade que podem carregar-se navios dela. Esta tal (ao meu entender) é o verdadeiro chá que vem da China e do Japão; não só porque a experiência descobre nela as mesmas virtudes do chá; mas também porque mandando-se da Índia a Gonçalo de Sousa de Meneses, morador na sua quinta de Salreu, a semente do legítimo chá, ele a mandou semear com todo o cuidado, e nasceu a mesma erva de que aqui se acham revestidos os campos e os cômaros."
Não há dúvida nenhuma: o chá da Índia é a erva formigueira de Aveiro. E dizem que nós, os portugueses, não somos gente para descobrimentos! O que nós somos é uns pródigos e depreciadores dos mananciais de riqueza que a Providência nos oferece como a filhos seus dilectíssimos. Se alguma companhia entrasse em exploração daquela mina, quem sabe se, fechados os portos à erva indiática, poderíamos ainda com o nosso chá amortizar a dívida externa, e meter a Europa numa infusão de erva formigueira? Razão tinha o patriota doutor Olho de Vidro, quando em seguida à notícia, que os coevos menosprezaram, ajuntou:
"Quem quiser indagar-lhe os préstimos, com facilidade o pode fazer, se acaso não for do génio daqueles que fazem eterno capricho de preferir sempre as coisas estrangeiras às nacionais e domésticas".

Camilo Castelo Branco, O Olho de Vidro (1866)

Começa assim

Preamble

Two limestone plates support the Aegean world.
The great Anatolian still lies flat,
But half an aeon since, through silent eyes:
'Ave!'
God watched the counterplate subside, until
Only its top and mountain tops remained
Above His brother, Lord Poseidon's, sea:
'And that, I shall call Greece. And those,
Her Archipelago,' said He. Then turned away
To hear Apollo and the Nine perform
Of Creation, from the stage at Table Bay.

They enter. They attend. They bow.
The Lord of Light and Mice gives them their note.
And then they sing:

'In the beginning there was no Beginning,
and in the end, no End...'

Logue's Homer, War Music, 2001 (2nd edition).

The Night of the Hunter, 1955



















Salvation is a last-minute business, boy.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Agio: Cadernos de ideias, textos & imagens

A partir de Janeiro, será possível acompanhar aqui o blogue da revista Agio – Cadernos de Ideias, Textos e Imagens. Esta revista resulta da junção de duas outras: a Agio e a Ítaca.

«Imagina que havia uma guerra e ninguém lá ia!»

Musil, que retratou um Estado em estado de alegre inconsciência e de «apocalipse estável» (a «Cacânia» de antes da derrocada), sugere-me uma pedagogia urgente e recomendável: a aprendizagem do sentido de possibilidade, diria mesmo a sua introdução nos currículos escolares, desde o básico, como disciplina obrigatória. Para grandes males, grandes remédios. Imagino que, se isso acontecesse, começaria a grassar a insatisfação, nada seria visto como suficiente, todas as fasquias começariam a subir, instalar-se-ia, por fim, um clima de desobediência civil generalizada (era aqui que eu queria chegar). Todo o Estado e todo o país que se prezem deviam aspirar a este estado de sítio, dinâmico e regenerador (contra algumas teorias, não são as guerras que regeneram, é a desobediência civil). Deviam estimular os seus cidadãos a compreender e aceitar a ideia subjacente ao apelo e ao desafio um dia lançado por outra escritora de língua alemã, Christa Wolf: «Imagina que havia uma guerra e ninguém lá ia!»

João Barrento. O Mundo Está Cheio de Deuses. Assírio & Alvim: 2011.

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Sobre as Parábolas

        
Muitos queixam-se de que as palavras dos sábios são sempre meras parábolas, sem qualquer utilidade para a vida diária, que é, afinal, a única que temos. Quando o sábio diz: «Ide», ele não quer sugerir que nós devamos transpor um caminho até um qualquer local real, o que, aliás, poderíamos muito bem fazer se valesse a pena. Ele refere-se aqui a um qualquer destino fabuloso, algo que desconhecemos, algo que também ele é incapaz de designar com maior precisão, pelo que se torna incapaz de nos dar a mínima ajuda neste caso. Tudo o que estas prábolas se propõem a dizer é que o incompreensível é incompreensível, e isso já nós sabemos. Mas os problemas com que temos de nos debater todos os dias: isso já é outro assunto.
        A este respeito, disse uma vez um homem: Para quê esta relutância? Se vocês seguissem as parábolas, transformar-se-iam vocês próprios em parábolas e, assim, livrar-se-iam de todos os vossos problemas quotidianos.
        Outro disse: Aposto que também isso é uma parábola.
        Disse o primeiro: Ganhaste.
        Disse o segundo: Mas infelizmente, apenas em parábola.
        Disse o primeiro: Não, na realidade. Na parábola, perdeste.



Franz Kafka, Contos, Cavalo de Ferro, 2004.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

"O sentido e o gosto do infinito"

Não sou irreligioso, não. Pelo contrário, compartilho a opinião de Schleiermacher, outro teólogo de Halle, e que definiu a Religião como «o sentido e o gosto do infinito», vendo nela «um facto constituinte», inerente ao homem. Por isso, a ciência da Religião deveria lidar não só com axiomas filosóficos mas também com um facto psíquico, inerente às pessoas. Isso traz-me à mente a prova ontológica da existência de Deus, que sempre preferi a todas as demais e que da ideia subjectiva de um Ser Supremo deriva a Sua presença objectiva. Que esta prova não resiste à razão mais do que qualquer outra foi demonstrado com palavras sumamente enérgicas por Kant. Mas a Ciência não pode dispensar a razão, e pretender fazer uma ciência do sentido do infinito e dos eternos enigmas significa unir pela força duas esferas totalmente diversas entre si de um modo inadequado, a meu ver, e que me deixa sempre confuso. A religiosidade, que, em absoluto, julgo alheia ao meu coração, é certamente diferente da religião positiva, ligada a uma confissão. Não teria sido mais indicado abandonar o "facto" desse sentido humano do infinito ao sentido piedoso, às Belas-Artes, à livre contemplação e até à pesquisa exacta que sob a forma de cosmologia, astronomia, física teórica, pode servir tal sentido, dedicando-se de modo perfeitamente religioso ao mistério da Criação - ao invés de fazer dele uma ciência espiritual à parte e de nele alicerçar um edifício de dogmas, cujos adeptos se combatem cruelmente por causa de um verbo auxiliar?

Thomas Mann, Doutor Fausto. Herbert Caro (trad.). D. Quixote: 2010 (4ª ed.).

"The Go-Between" de Joseph Losey, 1970

domingo, 25 de dezembro de 2011

Descarnar Raskólnikov

Não se sabe como, a ideia de que podiam tornar-se parentes foi criando raízes e partilhavam tudo: ideias, livros e aquela mania de descreverem Raskólnikov, deixando só um osso descarnado, um fóssil do qual não se tira mais nada.

Agustina Bessa-Luís, Antes do degelo

Boas festas






















Fotografia de Verner Reed ("Christmas Reflections", Boston, 1955)

sábado, 24 de dezembro de 2011

Das coisas inabordáveis


Assim como os pequenos lobos brincam entre eles e se preparam para o sexo e as caçadas, também os irmãos, embora criados em castidade e defesa do pecado, se entregam a mil ares de sedução e de traição até aos mais obscuros passos da paixão humana. Vêde as irmãs Brontë, as escritoras. Há melhor sarabanda do desejo, melhor orquestra de suspiros e tormentos? O irmão chega a apagar o retrato dele no meio dos retratos delas. E morre como um peixe no seu tanque de água salobra, procurando saltar e libertar-se. Querem exemplo melhor duma família feliz, embriagada de amor, e de álcool e de urzes das serras? Assim nascem os romances; do proibido e negro pasto do coração. Quando não houver mais esse gosto das coisas inabordáveis e trágicas, não haverá romance, nem literatura, nem nada.

Agustina Bessa-Luís, Antes do degelo

"Hunger" de Steve McQueen, 2008

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Por vezes, Taanach, soltam-se do fundo do meu ser exalações como quentes baforadas, mais pesadas que os vapores de um vulcão. Há vozes que me chamam, um globo de fogo rola e sobe-me pelo peito, sufoca-me, cuido morrer; e, depois, algo suave, que me escorre da testa para os pés, passa para a minha carne... É uma carícia que me envolve, e sinto-me esmagada como se um deus se estendesse sobre mim. Oh, bem gostaria de me perder na bruma das noites, na onda das fontes, na seiva das árvores, sair do meu corpo, ser apenas um sopro, um raio, e deslizar, subir até ti, ó Mãe!
Gustave Flaubert, Salammbô. Relógio d'Água.

The rest

O helpless few in my country,
O remnant enslaved!

Artists broken against her,
A-stray, lost in the villages,
Mistrusted, spoken-against,

Lovers of beauty, starved,
Thwarted with systems,
Helpless against the control;

You who can not wear yourselves out
By persisting to successes

You who an only speak,
Who can not steel yourselves into reiteration;

You of the finer sense,
Broken against false knowledge,
You who can know at first hand,
Hated, shut in, mistrusted:

Take thought:
I have weathered the storm,
I have beaten out my exile.

Ezra Pound, Poems of Lustra, 1913-1915

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Pur enfantillage

Sí: tenía quince años cuando la conocí - lees en el segundo folio de las memorias - elle avait quinze ans lorsque je l'ai connue et, si j'ose le dire, ce sont ses yeux verts qui ont fait ma perdition: los ojos verdes de Consuelo, que tenía quince años en 1867, cuando el general Llorente casó con ella y la llevó a vivir en París, al exilio. Ma jeune poupée aux yeux verts; je t'ai comblée d'amour: describió la casa en que vivieron, los paseos, los bailes, los carruajes, el mundo del Segundo Imperio: sin grande relieve, ciertamente. J'ai même supporté ta haine des chats, moi qu'aimais tellement les jolies bêtes... Un día la encontró, abierta de piernas, con la crinolina levantada por delante, martirizando a un gato y no supo llamarle la atención porque le pareció que tu faisais ça d'une façon si innocent, par pur enfantillage e incluso lo excitó el hecho, de manera que esa noche la amó, si le das crédito a tu lectura, con una pasión hiperbólica, parce que tu m'avais dit que torturer les chats était ta manière à toi de rendre notre amour favorable, par un sacrifice symbolique.

Carlos Fuentes, Aura

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Vistas, 'scrutando o Taishan

Este deus, a montanha, como dizê-lo?
Entre dois reinos o verde acaba nunca.
Nela, quem consegue, põe suprema beleza
Vertente sol ou sombra divide alba e crepúsculo.
Nas alturas do tronco nuvens dão esforço a quem sobe
Explodem aves a voltar-se na retina.
Um dia no cimo da montanha está
As outras lá em baixo surgirão pequenas.

Tu Fu, in Uma Antologia de Poesia Chinesa, Gil de Carvalho (org., trad.), Assírio & Alvim, 2010 (2ª ed.).

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Things Behind the Sun

Que Deus nos dê a todos nós, a nós os bebedores, uma morte tão suave e tão bela.


Joseph Roth, A Lenda do Santo Bebedor, trad. Álvaro Gonçalves, Assírio & Alvim, 1997

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011



Nota sobre o medo da Amazon

Sobre este texto aqui. O escritor escreve e o leitor lê – a simplificação do anacronicamente longo processo editorial ao mínimo indispensável e ideal: há o que escreve e o que lê. Os que estão no meio – o editor, o distribuidor, o livreiro – desaparecem da equação. Esta idílica proximidade entre escritor e leitor é possível não apenas pela exclusão de intermediários, mas graças à sua substituição por um outro, mais generoso e democrático, pronto a receber tudo, a publicar tudo, cavaleiro da cardeal virtude de se estar a borrifar para os livros, desde que devidamente remunerado.

Horácio recomenda ao autor que deixe a sua obra a repousar na gaveta oito anos. Vivesse hoje recomendaria talvez que se arranjasse um bom editor. Se não nos choca a proposta de extinção de instâncias de filtragem e validação é talvez porque estas se têm vindo a demitir progressivamente do seu dever. O mercado – que aqui não é uma tenebrosa identidade abstracta, mas sim as pessoas que compram os livros, ou consumidores, como são tratados pelos grupos editoriais, que já perceberam que leitores não são – é bastante cruel. É também autofágico, o que torna a coisa divertida para quem não rangeu os dentes até ao desespero. Há a esperança de que, daqui a vinte anos, possamos entrar numa livraria – locais mais modestos – e encontrar livros e não produtos reluzentes. O último update da Margarida Rebelo Pinto, a três dimensões, com extras e fotografias, poderemos comprá-lo numa loja digital (na Amazon 3.0, ou na empresa que entretanto já levou a Amazon à falência). Os poucos que gostarem de livros, ou ainda souberem o que isso é, frequentarão recintos quase sagrados, locais de assembleia: a Poesia Incompleta e a saudosa Trama, ao invés de "modelos de negócio ultrapassados", como prefigurações de futuro. Mas isto não passa de uma projecção de desejo. Mais sobriamente devemos admitir que o futuro será diferente e é improvável que seja melhor.

António José Teixeira entrevista Luís Miguel Cintra


Ser feliz é para os europeus, no México as coisas são mais excitantes.

Sabes o que classificavam de felicidade máxima? Ter filhos belos e bons, e Telo de Atenas , o mais feliz dos homens, foi o mais feliz dos homens porque teve isto (filhos e netos belos e bons) e morreu com «um final brilhante», escreve Heródoto, porém não se deve fazer uma longa caminhada no meio de pessoas da mesma idade que sejam mais felizes que nós, era isto que aconselhavam os gregos, porque a meio da caminhada, a meio da peregrinação, vamos ter vontade de os matar, eis o que diz a minha amiga do México, que conhece bem a infelicidade e a violência, e por isso diz: ser feliz é para os europeus, no México as coisas são mais excitantes. Si? Pergunto. Si, responde ela.
Gonçalo M. Tavares, Canções Mexicanas

(And you came home without your Lili Marleen)

domingo, 18 de dezembro de 2011

De presente a Liu Jingwen

Lótus secando não deita sombrinhas à chuva
Mas um ramo fica do crisântemo à prova de frio.
Vistas de um ano inteiro não esquecem, e menos esta:
- Limões amarelos e verdes, ainda não tangerinas.

Su Shi in Uma Antologia de Poesia Chinesa, Gil de Carvalho (org., trad.), Assírio & Alvim, 2010 (2ª ed.).

sábado, 17 de dezembro de 2011

Ouvindo na prisão uma cigarra

A terra roda para Oeste a cigarra começa o zagarreio
Memórias profundas suscita neste exílio, o Sul.
Custa-me ouvir esta figura de asa escura
Verrumando, um prisioneiro de cabelo branco.
É difícil subir ela o molhado, pesando neste orvalho
E no vento demais forte a sua voz desaparece.
Nenhuma criatura admite a sua altura e natureza
Quem irá dilucidar o que me vai no coração?

Luo Binwang, in Uma Antologia de Poesia Chinesa, Gil de Carvalho (org., trad.), Assírio & Alvim, 2010 (2ª ed.).

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Passando a fronteira: Mongólia

Areias Amarelas do Rio, sobem longínquos cirros brancos
Uma cidade suspensa - isolada - de altas montanhas
Porque há-de a flauta mongol lamentar salgueiro e choupo
Da Primavera o vento raro passa o desfiladeiro.

Wang Zhihuan in Uma Antologia de Poesia Chinesa, Gil de Carvalho (org., trad.), Assírio & Alvim, 2010 (2ª ed.).

Níobe

Níobe viu matar os seus dez filhos. A sua dor faz chorar as pedras. Mas, à medida que a dor se acalma, ela começa a alimentar-se. Homero insiste nisto. É uma interposição da verdade iluminada, também fundamental em Shakespeare. O absolutamente trágico é, portanto, não apenas insuportável para a sensibilidade humana: é falso para com a vida.

George Steiner, «A tragédia absoluta», in Paixão Intacta, Margarida Periquito e Victor Antunes (trads.), Relógio d'Água, 2003.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

"Luck" de Michael Mann, 2011-2012




Estreou ontem nos Estados Unidos o episódio piloto da série realizada pelo tipo que melhor filma a velocidade.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Ficción fundacional

No te engañes, la noche que recuerdas
como la más dichosa de tu vida
no fue distinta a otras que olvidaste.
Su gloria estuvo, quizá, en escribirla
sin aquello que desdice al discurso
que te hace revivirla con los años.

No te engañes, no exijas la alegría
de un beso en una noche de verano
porque los unicornios ya murieron
y la añoranza es un nacionalismo
al que te une un pasado que no fue.

Carlos Contreras Elvira, El Eco Anticipado, Pre-Textos, Poesía, 2010

O canto do oráculo sobre a próxima colheita

O meu combate era a doutrina, a alfabetização, era pôr as minhas leituras ao serviço da libertação maubere, de alguma maneira. Explicar à massa rural analfabeta o que era Virgílio, por exemplo, que era o que eu conhecia melhor porque, é redundante explicar, era a paixão literária do meu pai. É claro, Virgílio e os clássicos interessam pouco a agricultores que, de epopeias e da sua própria gesta, querem apenas o canto do oráculo sobre a próxima colheita - algo que nós, maoístas de véspera, não levámos em conta.

O adjunto Jó, na altura, viu logo aquilo que eu era, aquilo que eu poderia ser e, sobretudo, aquilo que eu nunca seria, ainda que muito tentasse. Parte do meu carisma era detectar antes de tempo as limitações dos outros. Durante a retirada para o Matebian, uma tarde, pôs-me a mão no ombro,

És igual a mim, Eneias, mas não tentes ser como eu. Vamos lutar juntos, firmes, mas tu combates virado para o passado e eu combato virado para o futuro. Costas com costas ninguém nos tomba,

disse ele, falando para mim mas falando para toda a audiência de quadros,

é preciso alguém que olhe pela herança da nação enquanto a primeira linha olha o inimigo nos olhos.

Pedro Rosa Mendes, Peregrinação de Enmanuel Jhesus

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Caro Guilherme:

Powerful angels, safe in heaven!

Alas! the readers of our era are less favoured. But, courage! I will not pause either to accuse or repine. I know poetry is not dead, nor genius lost; nor has Mammon gained power over either, to bind or slay: they will both assert their existence, their presence, their liberty and strength again one day. Powerful angels, safe in heaven! they smile when sordid souls triumph, and feeble ones weep over their destruction. Poetry destroyed? Genius banished? No! Mediocrity, no: do not let envy prompt you to the thought. No; they not only live, but reign, and redeem: and without their divine influence spread everywhere you would be in hell--the hell of your own meanness.

Charlotte Brontë. Jane Eyre. New York: W.W. Norton & Company, Inc. 2001. p. 316.

domingo, 11 de dezembro de 2011

Lugano entre os polacos


O que a seguir se narra aconteceu na Igreja da Divina Providência, em Odivelas, durante a festa de Natal da comunidade polaca.

O Eduardo deitou os olhos ao Lugano que eu levava na mão. Abriu-o de pernas para o ar. Descobriu a posição certa, abriu muito os olhos, chilreou qualquer cousa em espanhol ou em russo (não percebi), apontou para um verso, abriu a boca e começou a correr por entre os polacos da festa onde estávamos. A mãe estava a ensaiar com o coro, mas o Eduardo interrompeu o ensaio para mostrar a página aberta, sempre com o dedo espetado num verso qualquer, de boca aberta, com exclamações de entusiasmo. Fez o mesmo à maestrina, estupefacta, e a mais meia dúzia de polacos siderados. Depois correu para a igreja (a acção descrita decorria na sacristia, onde o coro de que a Ana faz parte ensaiava), e sentou-se, como a imagem documenta, a "ler" atentamente. Ao fim de largos minutos tentei negociar. Pesquei uma brochura com imagens coloridas do presépio, e propus a troca. Ele disparou uns olhos indignados, apertou o Lugano e fugiu para a sacristia.

Cajón Desastre

Eres tú, en la sastrería familiar

La elegancia de Sebastián va y viene
de un lado a otro, ladeando el cuerpo
según dicta el dolor de su cojera,
mientras su hija atiende los mandados
apremiantes de los consumidores.

Ves cajas de botones, alfileres,
bobinas de hilo lloviendo su color
a las prendas que cosen las mujeres
y a tu abuelo tomando las medidas
a una muchacha muerta que no supo
que la vida se mide como un traje.

De haber nacido entonces
le hubieras conocido, no sabrías
que él debía ser el próximo cadáver
con el pie grangrenado de un balazo
que le rebotó en una barricada
cuando la guerra había terminado.

Pero no es así y ahora le estás viendo
con su metro amarillo sobre el cuello
tomando las medidas muy despacio
mientras fuma con gesto reflexivo,
como si la muchacha le hubiera susurrado
que la vida es precisamente eso:
querer calcular sólo con un metro
la anchura inabarcable del desastre.

Carlos Contreras Elvira, El Eco Anticipado, Pre-Textos, Poesía, 2010

Entretanto, na Colónia Penal

O princípio de acordo com o qual estatuo é o seguinte: a culpa está sempre acima de qualquer dúvida. Outros tribunais podem não seguir este princípio, pois são constituídos por vários juízes e também têm instâncias superiores. Aqui não é o caso ou pelo menos não era na vigência do antigo Comandante. De facto, o novo já tentou imiscuir-se na minha jurisdição, mas, até agora, tenho conseguido repeli-lo e continuarei a consegui-lo. - O senhor queria que se esclarecesse este caso; é tão simples como qualquer outro. Um capitão denunciou hoje de manhã que este homem, que está às ordens dele como ordenança e que dorme diante da sua porta, adormecera durante o serviço. É seu dever levantar-se de hora a hora e fazer continência diante da porta do capitão. Certamente que não é um dever difícil e é necessário, pois ele tem de se manter apto tanto para vigiar como para servir. Na última noite, o capitão quis verificar se a ordenança estava a cumprir o seu dever. Abriu a porta às duas horas em ponto e encontrou-o enroscado a dormir. Foi buscar o chicote e fustigou-o no rosto. Ora, em vez de se levantar e pedir desculpas, o homem agarrou o seu superior pelas pernas, sacudiu-o e gritou: «Deita fora o chicote, senão devoro-te». - É esta a situação. O capitão veio ter comigo há uma hora, eu registei as suas declarações e, imediatamente a seguir, a sentença. Depois mandei acorrentar o homem. Tudo isto foi muito fácil. Se o primeiro o tivesse mandado comparecer e o tivesse interrogado, então isso geraria uma enorme confusão. Ele teria mentido, se me fosse possível refutar as mentiras, tê-las-ia substituído por outras, e por aí fora. Mas agora tenho-as comigo e não as largo mais. - Está tudo esclarecido? Mas o tempo passa depressa, a execução já devia ter começado e eu ainda não acabei a explicação do aparelho.


Franz Kafka, Os Contos, Assírio & Alvim, Lisboa, 2004.

sábado, 10 de dezembro de 2011

O ombro do André em Santiago

michael ventris

recuperas-lhe o olhar vivo
as mãos longas
sobretudo o olhar vivo
projetado
acima da linha da própria altura
rápido a entender as coisas
tinha o vício
de puzzles de quebra-cabeças
da decifração de sinais

um desses homens metódicos
por natureza
que cedo intui que nada
escapa ao caos
nem mesmo o tempo
breve dos obstáculos
que intrometemos
entre nós e as coisas

o tempo de um intervalo
na respiração
de um metrónomo

como o nilo que sobe
porque o mar
o cerca
porque os ventos de sudoeste
correm contra corrente
porque obstáculos o vedam

pensando nele
demoras-te um pouco
no problema do indecifrável
atravessas o longo campo devastado
da imaginação
o desdém
a sua forma lenta de pousio

uma coisa de fome
com garras e que grita
que imita a letargia do entardecer
invadindo tudo
colando-se ao voo de aves migratórias
a este convés de um velho navio sujo

e que te devolve finalmente ao real
puxando-te a partir
da mão que segura a caneta
e vai pousar sobre o estrépito intermitente
de uma dessas tempestades
sobre o mar
numa praia escura do norte

por mais nada que não
essa secreta medida
anterior
ancestral
a que lucrécio
na sua prudência
sábia de matemático
chamou
a grandeza suave do mar

não viveremos sem isto
suave mari magno
ou só podíamos ter vivido
sem isto se fôssemos
anteriores às imagens
se estivéssemos fora delas
se pudéssemos falar sem elas

não como ele
silencioso diante dos sinais
paciente
cuidadoso
medindo a sombra
sob o sentido
diante dessas pequenas
tábuas de argila
que durante anos
permaneceram indecifráveis

a mão segurando a caneta
devolve-nos ao sentido devido
confessamos
que esperávamos
por poemas épicos
cartas de amor
revelações escandalosas
dessa idade longínqua

a mulher do rei
traindo-o
com um qualquer cortesão
o embaixador
que vendendo ao inimigo
por uma medida de ouro
o plano dos pontos
fracos da muralha
vendeu o seu rei

ele demonstrou
que se tratava apenas
de uma imensa contabilidade
de palácio
escrupulosamente apontada
por gerações de amanuenses
mais ou menos
dedicados ou desajeitados

todo o sentido
que havia a extrair
de um incêndio
que durou séculos

a relação do número
de homens e dos seus cavalos
do seu trigo e do número
de remadores nos seus navios

michael morreu
num acidente
demasiado jovem

uma música
distante
imprecisa
tamborilando nas portas

john escreveu-lhe discretamente
talvez um pouco mais do que uma elegia

a adequação das palavras às circunstâncias

Tatiana Faia

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Kafka

Se o livro que estamos a ler não nos desperta, como se fosse um soco na cabeça, então porque estamos a lê-lo? Para que nos faça felizes? Meu Deus, também seríamos felizes se não tivéssemos livros e os livros que nos fazem felizes também podíamos ser nós a escrevê-los, se fosse preciso. O que devemos ler são esses livros que se abatem sobre nós como uma desgraça, que nos afligem profundamente, como a morte de alguém que amamos mais do que a nós próprios, como o suicídio.

Kafka, citado por Steiner, in «A nossa pátria, o texto», Paixão Intacta, Margarida Periquito e Victor Antunes (trads.), Relógio d'Água, 2003.

Pinguins

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Eneias em Timor

     Por questões práticas e políticas, não podia, de início, passar a Alor os testamentos de Ruy Cinatti - e a angústia deste ao constatar, depois da Segunda Guerra Mundial, a erosão rápida das artes e ofícios e de motivos tradicionais em Timor. Nem sequer dispunha dos livros na minha biblioteca. Os livros em português e o uso da língua eram anátema no tempo indonésio. Li Cinatti em biblioteca privada e em segredo, onde ninguém podia incomodar-me: em casa do governador Abílio Osório Soares. Não estou a inventar. A meu pedido, e parece que por recomendação do pai de Alor, o governador Abílio autorizou o rapaz a consultar «o que quisesse, quando quisesse», na sua biblioteca lusófona, que não era pequena. Penso que Alor aproveitou as leituras que fez, porque, a caminho de Baguia, disse-me
     Você é uma quimera, Pak Eneias,
     Quimera, eu?
     Eneias morreu por Matarufa e Matarufa não existe, geograficamente, politicamente, historicamente. Matarufa é uma ideia sem sítio, ou, se existe, ainda não emergiu das águas no início das coisas, pelo umbigo da mãe do mundo, como é que vocês dizem...


Pedro Rosa Mendes, Peregrinação de Enmanuel Jhesus

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

"Seppuku" de Masaki Kobayashi, 1962

Wheatear

Poem beginning with a Line of J. M. Synge

Brown lark beside the sun
Supervising Carrigskeewaun
In late May, marsh marigolds
And yellow flags, trout at the low
Bridge hesitating, even
The ravens' ramshackle nest -
Applaud yourself, applaud me
As I find inside the cottage
A wheatear from Africa
Banging against the windowpane
And hold in my hands her creamy -
Buff underparts and white rump
And carry her to the door
And she joins you beside the sun
Before skimming across the dunes
To mimic in a rabbit hole
Among silverweed and speedwell
My panic, my breathlessness

Michael Longley, Snow Water, Cape Poetry, 2004

domingo, 4 de dezembro de 2011

Para todos


Nestes 10's está a faltar gravemente uma Kate Bush.

An October Sun

in memory of Michael Hartnett

Something inconsolable in you looks me in the eye
An October sun flashing off the rainy camber.
And something ironical too, as though we could
Warm our hand at turf stacks along the road.

Good poems are as comfortlessly constructed,
Each sod handled how many times. Michael, your
Poems endure the downpour like the skylark's
Chilly hallelujah, the robin's autumn song.

Michael Longley, Snow Water, Cape Poetry, 2004

5 a 7 de Dezembro

Um colóquio que revisita temas clássicos na literatura portuguesa, da Idade Média aos dias de hoje. O programa está aqui. Eu e o André lá estaremos, ele falará de literatura política da Restauração, eu de Agustina Bessa Luís, Eurípides e mais não sei quê.

Vontade de ter 16 de novo

sábado, 3 de dezembro de 2011
























O indivíduo na fotografia é Jack Kerouac, no ano de 1942. A fotografia pertence ao arquivo da Reserva Naval americana. Olhos melancólicos, orelhas grandes.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Soldados de infantaria



















«A sua grande sombra ainda a arder»: Homero falando de Ajax, rancoroso, no Inferno. Charles Péguy era de estatura franzina, no entanto era extraordinariamente robusto para as longas marchas e para o manejo das armas. Tal como Ajax, fizera da sua existência um duelo mano a mano: contra o compromisso, contra o brilho oleoso do discurso político, da manipulação fiscal, contra o oportunismo das relações públicas e privadas, contra mundum. Até ao mais alto grau da aparente destruição mental (próximo do fim, não havia praticamente nenhum aliado, nenhum apoiante, nenhum amigo com quem Péguy não tivesse cortado relações e que não tivesse despachado para o limbo da desonra mundana). Como Sócrates, outro agitador, Ajax e Péguy não passaram de fantassins, soldados de infantaria, até ao âmago, com um sentido exacto do chão amargo que pisavam e do peso das armas que levavam às costas. Ambos eram mestres da ira.

George Steiner in «Tamborilando nas Portas - Péguy», Paixão Intacta, Margarida Periquito e Victor Antunes (trads.), Relógio d'Água, 2003.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

"A Dangerous Method" de David Cronenberg, 2011























Vigo Mortensen, sem dúvida um dos melhores actores deste tempo.

Embora eu continue sem perceber porque é que em Espanha não se comemora também este dia

Excerpto de uma canção anónyma, composta em Coimbra, em Janeiro de 1641. Actualizei a orthographia para não chocar os adeptos da inmutabilidade da escripta. Mantive, no entanto, a graphia que pode denunciar uma realização phonética differente da actual.

[...]
E tu ó Lusitâna pátria amada,
se qual Cassiopea de fermosa
contra o Céu conspirada te atreveste,
tua Lisboa, Andrómeda presada,
se a chegaste a olhar tão lastimosa
que presa ao horrível monstro ofreceste:
o Perseu que tiveste
e a quem Minerva segue,
pera que a liberdade lhe não negue,
tal amor nele vejo,
que vem voando em asas de desejo
e, qual ladrão de Europa, em chuva de ouro
rica te deixa só com seu tesouro.
[...]

Resurgam

'I am very happy, Jane; and when you hear that I am dead, you must be sure and not grieve about. We all must die one day, and the illness which is removing me is not painful; it is gentle and gradual: my mind is at rest. I leave no one to regret me much: I have only a father; and he is lately married, and will not miss me. By dying young, I shall escape great sufferings. I had not qualities or talents to make my way very well in the world; I should have been continually at falt.'

Charlotte Brontë. Jane Eyre. New York: W.W. Norton & Company, Inc. 2001. p. 69.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

"Somebody up there likes me" de Robert Wise, 1956

Of Beauty and Consolation

Online aqui, god dammit!

To a standstill

Like that slow-motion moment
When a woman weighs the wool
Her poor old spider hands
Work all night spinning a living for her children
And then she stops
She soothes the scales to a standstill

Alice Oswald, Memorial, Faber & Faber, 2011

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Like when the rainy fog

Brave Hypsenor the stump of whose hand
Lies somewhere on the battlefield
He was the son of Dolopion the river-priest
Now he belongs to a great red emptiness

Like when the rainy fog pulls down its hood on the mountains
Misery for the herdsmen better than night for the thief
You can see no further than you can throw a stone

Alice Oswald, Memorial, Faber & Faber, 2011

He became every book that he was reading

domingo, 27 de novembro de 2011

Sarpedon

Sarpedon the son of Zeus
Came to this ungreen ungrowing ground
Came from his cornfields from his leafy river
From his kingdom of paths and apple groves
And was killed by a spear
Then for a long a time he lay crumpled as linen
Until two soft-voiced servants Sleep and Death
Carried him home again they left him
Folded on the grass and a breeze from heaven
Almost lifted him up almost shook him out
And set him sighing and whispering but no one
Not even a great man not even a son of Zeus
Can buy or steal or borrow back his own last breath
Once he has hissed it out
Through the shutter of his teeth

Like the blue flower of the sea
Being bruised by the wind
Like when the rain-wind
Bullies the warm wind
Battering the great soft sunlit clouds
Deep scoops of wind
Work the sea into a wave
And foam follow wandering gusts
A thousand feet high

Alice Oswald, Memorial, Faber & Faber, 2011

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Rapariga de olhar vivo

Da sagrada Tebas, da Plácia de fontes perenes, Heitor
e os seus homens trazem, nas suas naus pelo mar salgado,
Andrómaca, rapariga de olhar vivo e delicada. Trazem muitas
pulseiras de ouro e perfumadas vestes cor de púrpura,
brinquedos vários, numerosas taças de prata e marfim.

Excerto do fragmento 44 de Safo.

Versão minha a partir da edição crítica de Eva-Maria Voigt (Amsterdão 1971).

So look at my face, Marie Claire

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Glass Flowers

I

I would bring the glass flowers to the broken marriages
Because of their flowering time, the once and for all
Hard petals, cups and saucers from a doll's house,
The imaginary roots that grow into the table.

II

The glass iron cooling in your hand will double as
A darning last, a curve of light beneath the holes:
Let me rock along the seams with it before your
Breath condenses on heels and elbows made of glass.

Michael Longley, Gorse Fires, Cape Poetry, 2009.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Bêbado na Lua

Gorse Fires

Cattle out of their byres are dungy still, lambs
Have stepped from last year as from an enclosure.
Five or six men stand gazing at a rusty tractor
Before carrying implements to separate fields.

I am travelling from one April to another.
It is the same train between the same embankments.
Gorse fires are smoking, but pimroses burn
And celandines and white may and gorse flowers.

Michael Longley, Gorse Fires, Cape Poetry, 2009.

domingo, 20 de novembro de 2011

"Viaggio in Italia" de Roberto Rossellini, 1954

Fragmento 39 de Safo

<...> variegadas faixas
cobrem os pés,
o belo trabalho lídio <...>

.. πόδας δὲ
ποίκιλος μάσλης ἐκάλυπτε,
Λύδιον κάλον ἔργον.

Tradução minha, a partir da edição crítica de Eva-Maria Voigt (Amsterdão, 1971).

***
Este fragmento conservou-se porque - se não me falha a memória - é mencionado num escólio a Aristófanes, como exemplo de que os Lídios eram artesãos famosos já no tempo de Safo. Uma imagem de sandálias bonitas, sinal talvez de uma condição elevada, escolha de calçado feita talvez por uma mulher elegante ou ponderada, tudo o que de um poema se salvou.

sábado, 19 de novembro de 2011

Assinar

"Lost In Translation" de Sofia Coppola, 2003

Fragmento 24a de Safo

<...>
tu irás recordar-te
porque em conjunto na juventude
fizemos estas coisas

muitas belas coisas
<...>
<...>

Tradução minha, a partir da edição crítica de Eva-Maria Voigt (Amsterdão, 1971).

Madame Butterfly

Through atmospherics I hear you die again.
Death is white as your lover's uniform, as snow
When it covers the whiteness of almond petals.
Worse weather blows your papery house away.
Now I listen for the snow bunting's arrival,
A flute-note from crevices and rocky scree.

Michael Longley, Gorse Fires, Cape Poetry, 2009.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Image-making love

Always
at the core of me
burns a small flame of anger, gnawing
from trespassed contacts, from hot, digging-in fingers of love.

Always
in the eyes of those who loved me well
I have seen at last the image of whom they loved
and took for me,
mistook for me.

And always
it was a pretty monkey that resembled me
and was a gibe at me.

So now I want above all things
to preserve my nakedness
from the gibe and finger-clutch of image-making love.

D. H. Lawrence in Imagist Poetry, Penguin Books, 1972

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Man

Man is an extraordinarily fixed and limited animal whose nature is absolutely constant. It is only by tradition and organization that anything decent can be got out of him.

T. E. Hulme, Speculations, 1960

Where will we be, on a spaceship somewhere, lalalalalala... bom dia

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Resposta à lembrança exacta

A linguagem perdeu a sua aptidão própria para a verdade e para a honestidade política ou pessoal. Vendeu, e vendeu ao desbarato, os seus mistérios de intuição profética e as suas capacidades de resposta à lembrança exacta. Na prosa de Kafka, na poesia de Paul Celan ou de Mandelstam, na linguística messiânica de Benjamin e na estética e na sociologia política de Adorno, a linguagem funciona, de maneira insegura, no gume cortante do silêncio. Agora sabemos que se a Palavra «era no princípio», também pode ser no fim: que existe um vocabulário e uma gramática dos campos da morte, que as detonações termo-nucleares podem ser designadas como «Operation Sunshine». Seria como se a quinta-essência, o atributo que identifica o homem - o Logos, o orgão da linguagem - se tivesse quebrado dentro das nossas bocas.

George Steiner, "Presenças Reais", in Paixão Intacta, Margarida Periquito e Victor Antunes (trads.), Relógio d'Água, p. 37

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

"L'Eclisse" de Michelangelo Antonioni, 1962

Nothing to save

There is nothing to save, now all is lost,
but a tiny core of stillness in the heart
like the eye of a violet.

D. H. Lawrence in Imagist Poetry, Penguin Books, 1972

Dia de chuva em Roma

ΔΏΡΙΑ (Dória)

Be in me as the eternal moods
of the bleak wind, and not
As transient things are —
gaiety of flowers.
Have me in the strong loneliness
of sunless cliffs
And of gray waters.
Let the gods speak softly of us
In days hereafter,
the shadowy flowers of Orcus
Remember thee.

Ezra Pound in Imagist Poetry, Penguin Books, 1972

sábado, 12 de novembro de 2011

The Unquiet Street

By day and night this street is not still;
Omnibuses with red tail-lamps,
Taxicabs with shiny eyes,
Rumble, shunning its ugliness.
It is corrugated with wheel-ruts,
It is dented and pockmarked with traffic,
It has no time for sleep.
It heaves its old scarred countenance
Skyward between the buildings
And never says a word.

On rainy nights
It dully gleams
Like the cold tarnished scales of a snake:
And over it hang arc-lamps
Blue-white death-lilies on black stems.

John Gould Fletcher, in Imagist Poetry, Penguin Books, 1972.

Farol






































Laço
























Carregou no botão de enviar e pensou no Carver, que dizia que no final, tudo somado e subtraído, o que resta são palavras e que, assim sendo, é conveniente que (também as que enviamos) sejam as certas. Duas mil e quinhentas palavras é coisa pouca, basta uma palavra errada. Não tanto uma questão de economia como de efeito, portanto (make it count). O que aconteceu é que depois se lembrou de Roberto Calasso, que dizia que tudo o que nos prende, independentemente da qualidade da relação com o que nos prende, é um laço. Que é uma citação inesquecível sobretudo porque Calasso rima com laço. Mas não era isso ainda. Era a outra impressão sobre estas duas, que muitos dos nossos laços são só de palavras, que essa será a intimidade máxima que nos será concedida com as coisas que amamos, os nossos pequenos golpes de imaginação que recriam tempos por onde já não podemos caminhar (traz há dias na cabeça um texto em que conta a primeira vez que te viu, começa com a descrição do que trazias vestido, passa para o modo como acendeste o cigarro [marlboro], quando levantaste o rosto estava já vagamente apaixonada, a história da rapariga que há uns anos viu fugazmente um rapaz num corredor movimentado- o que digo, o laço com um tempo que já não existe, a ténue ponte para as coisas que nos importam, palavras só, é preciso escolhê-las bem, disse Carver). Mas não era isso, a justaposição da ideia de que só as palavras restam e que muitos dos nossos laços são só feitos por elas prefigura uma soma que me fez pensar no poeta Ruy Belo, Homem de Palavra[s].

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Evening

The light passes
from ridge to ridge,
from flower to flower -
the hypaticas, wide-spread
under the light
grow faint -
the petals reach inward,
the blue tips bend
toward the bluer heart
and the flowers are lost.

The cornel buds are still white,
but shadow dart
from the cornel-roots -
black creeps from root to root,
each leaf
cuts another leaf from the grass,
shadow seeks shadow,
then both leaf
and shadow-leaf are lost.

H.D. in Imagist Poetry, Penguin Books, 1972.

The 'Image'

There is a sort of poetry where music, sheer melody, seems as if it were just bursting into speech. There is another sort of poetry where painting or sculpture seems as it were 'just coming over into speech'. The first sort of poetry has long been called 'lyric'... The other sort of poetry is as old as the lyric and as honourable, but until recently, no one named it. Ibycus and Liu Ch'e presented the 'Image'. Dante is a great poet by reason of this faculty, and Milton is a wind-bag because of his lack of it. The 'Image' is the furthest removed from rhetoric. Rhetoric is the art of dressing up some unimportant matter so as to fool the audience for the time being... As a 'critical' movement, the 'Imagism' of 1912 to '14 set out 'to bring poetry up to the level of prose'.

Ezra Pound, The Fortnightly Review, 1914, p. 468.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

"The Darjeeling Limited" de Wes Anderson, 2007

Quando o tempo é de Setembro

Quando o tempo é de Setembro
um tempo rente
quando as mãos se alongam deslocadas
no córrego da luz e os dedos tocam
o imparável refluir dos horizontes
e as vozes tentam assomar
por sobre o levantar das vagas
flexão de dorsos e o alastro de
manchas brancas em uma pele azul
esteira de veias deslaçadas ao ímpeto
daquele querer cercado, daquele
poder sem outro por que
assim se vergue;
e repetido

no terraço, à tarde
um tanto clamor se enlaça um ser-passado
por entre a humidade ácida,
a oxidação dos ossos

foram mãos espalmadas contra a luz
passos sem peso e sem sandálias
no terraço, tempo óxido e ido

delido país - por entre camarinhas,
carreiro de sapos que a noite dava
à contemplação

Maria Andresen de Sousa, Lugares, Relógio d'Água, 2001

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Escuta

Irmão, por favor, não estejas sempre a interromper-me. O teu riso jovem e tolo asfixia as ideias. Escuta! Presta bem atenção. O que te digo pode um dia vir a ser-te útil. Acima de tudo: não tentes ir contra a corrente. Ir contra a corrente, irmão, isso não existe, porque talvez não haja nada no mundo por que valha a pena lutar. E, porém, tens de lutar sempre, apaixonadamente até. Mas para que não te tornes demasiado ávido: lembra-te bem: não há nada por que valha a pena lutar. Tudo está apodrecido. Compreendes isto?


Robert Walser, Jakob von Guten: Um Diário, Isabel Castro Silva (trad.), Relógio d'Água, 2005.

Prémio Agustina Bessa Luís

Muitos parabéns, Tiago!!!

Notinha de rodapé

Corifeu
Como se de uma criança se tratasse, ancorou-a em faixas, porto seguro.

Nota do tradutor: "Metáfora arrojada, ignorada pela generalidade dos tradutores." [I.e. Tunga! Vejam lá como eu traduzo bem!]

O que diz o texto:

ἐν σπαργάνοισι παιδὸς ὁρμίσαι δίκην.
Ancorou-a em faixas [i.e., pôs-lhe fraldas, fala-se de uma serpente], como a uma criança.

O verso seguinte é:
"E que alimento reclamou o monstro recém-nascido?"

A palavra traduzida por monstro (δάκος) significa mais propriamente "animal que morde". Pela mesma ordem de ideias não se esperaria uma notinha de rodapé?

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

"The Royal Tenenbaums" de Wes Anderson, 2001

Zero

De vez em quando naufragava uma frota carregada de prata no oceano. A humanidade tentou desde sempre recuperar os tesouros afundados. No meu coração já se afundaram tantas frotas e toda a vida hei-de tentar trazer à superfície uma parte dos muitos tesouros que jazem lá no fundo. Ainda não tenho as ferramentas necessárias para isso. Vou ter de as fabricar a partir do zero.

Etty Hillesum, Diário: 1941-1943, Maria Leonor Raven-Gomes (trad.), Assírio & Alvim, 2009 (3ª ed.).

Golpe d'Asa: Lançamento

Do ténis e dos nazis

Bien avant la séparation des deux pays, alors que j'étais encore un enfant, je faisais déjà la distinction, grâce au tennis, entre Tchèques et Slovaques. Par exemple, je savais qu'Ivan Lendl était tchèque, alors que Miroslav Mecir était slovaque. Et si Mecir le Slovaque était un joueur plus fantaisiste, plus talentueux et plus sympathique que Lendl le Tchèque, laborieux, froid, antipathique (mais tout de même numéro 1 modial pendant 270 semaines, record seulement battu par Pete Sampras avec 286 semaines), j'avais égalemente appris de mon père que, pendant la guerre, les Slovaques avaint collaboré tandis que les Tchèques avaient résisté. Dans ma tête (dont la capacité à percevoir l'étonnante complexité du monde était alors très limitée), cela signifiait que tous les Tchèques avaient été des résistants, et tous les Slovaques des collabos, comme par nature. Pas une seconde je n'avais pensé au cas de la France, qui pourtant remettait en cause un tel schématisme: n'avions-nos pas, nous, Français, à la fois résisté et collaboré?

Laurent Binet, HHhH

sábado, 5 de novembro de 2011

4.1

So it was nothing, nothing at all,
the loss, the gain; it was nothing,
the victory, the shouting

and Hector slain; it was nothing
the days of waiting were over;
perhaps his death was bitter,

I do not know; I am awake,
I see things clearly; it is dawn,
the light has changed only a little,

the day will come;
did he speak to me?
he seemed to say, it was nothing,

the arid plain, only the wind,
tearing the canvas loose,
and the tent-pole swaying,

and I lying on my pallet, awake
and hearing the flap of the sail
the creak of the mast in the mast-hold,

and caring nothing for heat,
nothing for cold,
numb with a memory,

a sort of ecstasy of desolation,
a desire to return to the old
thunder and roar of the sea...

waiting to join Hector,
but I can not be slain,
I am immortal, invincible,

son of a Greek king;
did she taunt him then,
the little image,

fearless to plough the sea,
did she laugh to see her son,
entrapped in the armoury

of iron and ruin?
did she come,
his eidolon?

H.D., Helen in Egypt, New Directions, s.d. (1961, 1ªed.)

The Widow's Lament In Springtime

Sorrow is my own yard
where the new grass
flames as it has flamed
often before but not
with the cold fire
that closes round me this year.
Thirty five years
I lived with my husband.
the plumtree is white today
with masses of flowers.
Masses of flowers
load the cherry branches
and color some bushes
yellow and some red
but the grief in my heart
is stronger than they
for though they were my joy
formerly, today I notice them
and turn away forgetting.
Today my son told me
that in the meadows,
at the edge of the heavy woods
in the distance, he saw
trees of white flowers.
I feel that I would like
to go there
and fall into those flowers
and sink into the marsh near them.


William Carlos Williams, Antologia Breve, Assírio & Alvim, 1995.

A Sul de Nenhum Norte

Está aí o número 4. É descarregar!

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Coetzee sobre Walser

"On Christmas Day, 1956, the police of the town of Herisau in eastern Switzerland were called out: children had stumbled upon the body of a man, frozen to death, in a snowy field. Arriving at the scene, the police took photographs and had the body removed.

The dead man was easily identified: Robert Walser, aged seventy-eight, missing from a local mental hospital. In his earlier years Walser had won something of a reputation, in Switzerland and even in Germany, as a writer. Some of his books were still in print; there had even been a biography of him published. During a quarter of a century in mental institutions, however, his own writing had dried up. Long country walks—like the one on which he had died—had been his main recreation."

Continuar a ler aqui.

Arrival

And yet one arrives somehow,
finds himself loosening the hooks of
her dress
in a strange bedroom -
feels the autumn
dropping its silk and linen leaves
about her ankles.
The tawdry veined body emerges
twisted upon itself
like a winter wind...!


William Carlos Williams, Antologia Breve, Assírio & Alvim, 1995.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Como é bem sabido, Ésquilo era comuna

Coro (cantando)

Um tremor apodera-se de mim ao escutar estes votos:

há muito que tarda o destino,

mas talvez venha em resposta a estas preces.


Ésquilo, Coéforas, 463-4


Estas palavras só poderiam ser ditas por um verdadeiro marxista: alguém que sabe que o destino chegará, que é irresistível e inevitável, só está é um bocadinho atrasado. Aliás, o Coro de escravas que verte librações e reza para ressuscitar o seu senhor é uma ritualização mal disfarçada do Avante pós-Cunhal. Mas parece-me algo forçada a posição de alguns críticos (como Goldhill, Vernant e Pitta) de ler no passo uma alusão ao referendo grego e às oportunidades que este representa para uma certa esquerda neo-pericleana. E já que falamos de Ésquilo.

It is impossible

It is impossible to achieve greatness in one's own time. Greatness makes itself known only to descendents, for whom such a quality is always located in the past (it turns into a distanced image); it has become an object of memory and not a living object that one can see and touch. In the genre of "memorial," the poet constructs his image in the future and distant plane of his descendents (cf. the inscriptions of oriental despots and of Augustus). In the world of memory, a phenomenon exists in its own peculiar context, with its own special rules, subject to conditions quite different from those we meet in the world we see with our own eyes, the world of practice and familiar contact.

M. M. Bakhtin, The Dialogic Imagination: Four Essays, Caryl Emerson & Michael Holquist (trads.), University of Texas Press, 1987.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

"Sangue do meu Sangue" de João Canijo, 2011

campos de ténis

os campos de ténis de outono
recordavam-lhe cartas de aniversário
redes pálidas correndo
contra crepúsculos de púrpura
e um tom cinzento pairando
sobre holofotes
casacos de lã
que a chuva do princípio
não aprenderá
a deixar intactos
alguma coisa
dividida entre
o fim e o novo
pequenas mortes
assinalam
outros tantos começos

na sombra que se projeta na parede
de sépia
há uma mulher que tece
uma trama de deixa
que o que desejo
por uma vez
prevaleça
e um pouco penélope
nos modos tímidos
plena de ardis, ela
imaginada por algum demiurgo
a queda dos seus ombros ao de leve
como a variação
da luz
sobre o teu rosto
lembrada talvez
para te entristecer
demasiado o coração

mas o teu olhar vagueia
nos papagaios do outono
dançando sobre os areais
dança de fios e cor
um cortar de vela
rápida garra
contra o vento
agudo como os gestos
dela
projetados na parede
sombra que se perde
num canto do lume

as mãos que tecem
destecem
as pequenas rosas do outono
o teu rosto
perdido no embaraço
de frases
que ferem devagar
que tecem destecem

mãos por baixo da mesa
uma sobre a outra
travando-se
o remorso surdo
esparso na noite lenta
chega-te como gritar
debaixo de água
uma vaga música
entretém tudo à superfície
é um lugar longe longe
o pensamento

e vai para outros lugares
muda-se para portões
que vasos de flores
travaram
o mar insinuado
abaixo dos telhados brancos
chega-te de novo
no gesto de raquete
cortando a bola
em cima da linha
o braço tenso
o movimento desacertado
a bola caindo
o movimento para desperdício
e morte
os pequenos erros
que não se perdoam

no outono
o jovem poeta
viu pela primeira vez
a sua amada numa escada
de uma velha casa em cambridge
havia luzes música
cocktails conversas pedantes
lanternas chinesas suspensas
por fios no ar
uma mulher
um pouco penélope
de olhos verdes cabelo dourado
que a um olá tímido
respondeu com sotaque americano

estas coisas que se adensam em nós aos poucos
se espessam no sangue
nos nossos pensamentos
nos ferem devagar
e definitivamente

Tatiana Faia

domingo, 30 de outubro de 2011

Também se celebra hoje



O aniversário do meu poeta favorito.
Magnum opus: 4:14m

3.5

So they swooped to their prey;
there was never such a spread of wings,
such a play of golden feathers,

though I did not see them,
I heard them, as I heard myself say,
O Thetis, O sea-mother;

Let me forget the other,
for to-day is to-day,
ringed and rayed with the word "beautiful";

how shall I answer him?
what is the answer to
Helena, which was the dream?

the rasp of a severed wheel,
the fury of steel upon steel,
the spark from a sword on a shield?

or the deathless spark
of Helena's wakening...
a touch in the dark?

H.D., Helen in Egypt, New Directions, s.d. (1961, 1ªed.)

Feliz aniversário, Ezra

sábado, 29 de outubro de 2011

7.8

Strive not to wake the dead;
the incomparable host
with Helen and Achilles

are not dead, not lost;
the isles are fair (nor far),
Paphos, the Cyclades;

a simple spiral-shell may tell
a tale more ancient
than these mysteries;

dare the uncharted seas,
Achilles waits, and life;
beyond these pylons and these gates,

is magic of the wind, the gale;
the mystery of a forest-tree,
whispering its secrets upon Cithaeron,

holds subtler meaning
than this written stone
or leaves of the papyrus;

let rapture summon
and the foam-flecked sand,
and wind and hail,

rain, sleet and the bewildering snow
that lifts and falls,
conceals, reveals,

(the actual
and the apparent veil),
Helen - come home.

H.D., Helen in Egypt, New Directions, s.d. (1961, 1ªed.)

Veneza

Mulheres de Atenas

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

"Kakushi-toride no san-akunin" de Akira Kurosawa, 1958

São agora oito e meia

São agora oito e meia, um aquecedor a gás, túlipas amarelas e vermelhas, e de repente, do pé para a mão, uma pastilha de chocolate da marca Droste, da tia Hes' e as três pinhas do urzal de Laten que ainda estão espalhadas junto à rapariga marroquina e ao Púchkin.
Sinto-me tão «normal», tão muitíssimo normal e satisfeita, assim sem aqueles pensamentos profundos e torturantes e pesados, mas tão normalíssima, tão cheia de vida e muito profunda, porém uma profundidade que pode ser encarada como normal.

Etty Hillesum, Diário: 1941-1943, Maria Leonor Raven-Gomes (trad.), Assírio & Alvim, 2009 (3ª ed.).