segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Uma vida realmente boa

Essa felicidade teria algo em comum com a sua infância, com o entusiasmo que nele despertava a poesia lírica russa, com um certo horizonte vespertino que uma vez vira num sonho e com aquela dama, mulher de outro homem, que em desespero amara durante sete anos; mas seria ainda mais plena e significativa do que tudo isso. Além do mais sentia que uma vida realmente boa deiva orientar-se para alguma coisa ou alguém.

Vladimir Nabokov, "Nuvem, Castelo, Lago", Telma Costa (trad.), Contos Completos, Vol. II, Teorema, 2003

7 comentários:

  1. Hummm...( desperto ) uma antologia do Nabokov ?

    ResponderEliminar
  2. pois então ...fica duplamente anotado , ;-)

    ( Tu já conheces « Os retratos do arquivista desarrumado» ? )

    ResponderEliminar
  3. Um lugar desarrumado...

    ;-)

    aqui : http://chlepsidrae.blogspot.com/

    ResponderEliminar