sexta-feira, 5 de julho de 2013

Meio

Uma palavra pode desdobrar-se, a meio de uma frase atirar-se para um lado e para outro, adquirir um significado duplo, introduzir uma variação que não tínhamos previsto, de que não nos apercebemos de imediato. As leis por que vivemos não são completamente explicáveis, completamente racionais, o primeiro sentido torna-se outro ou é ambíguo. Não falo de leis civis. O corpo como as palavras é um acto de desobediência enquadrado por vectores em desequilíbrio, factos ocasionais, encontros aleatórios. Se houver um centro para o primeiro significado, se no princípio houve um sentido qualquer, como podemos determinar o nosso lugar no epicentro e se é em direcção ao núcleo que importa que nos movamos?

2 comentários: